domingo, 6 de setembro de 2015

Críticas à EEEP de Aracoiaba e ao sistema.

Tenho várias críticas para realizar neste presente, mas antes gostaria de dizer que não generalizo as falhas, nem mesmo busco destruir a imagem de alguém, apenas construo um senso com o leitor que está facultado a concordar ou não. Além disso vale ressaltar que tudo que será exposto foi previamente pesquisado e estudado. 
Já possuímos a consciência de que o estresse gerado nas EP's são em excessos, pois o aluno cursa o ensino médio integrado com o profissional, e é claro devem estudar muito, quanto mais conhecimento melhor, mas até que ponto isso é prejudicial? O estresse em si é prejudicial à saúde, pois gera reações fisiológicas exageradas em intensidade ou duração que podem levar o organismo ao desequilíbrio. Já podemos notar isso dentro do sistema, essa enorme falha, pois em período de provas os alunos ao invés de elevar o aprendizado, criar um senso crítico voluntário e formulado por si mesmo, eles não possuem tempo para estudar e DECORAM o conteúdo, acarretando assim estudantes dependentes e sem metodologia alguma. Minha crítica também atinge aos professores, todos sabem que sou um defensor dessa classe, mas além de ganharem o que não merecem, eles fazem os papéis de pais dentro da instituição de ensino, muito deles sobrecarregados de tanta obrigação, ou seja, o professor também entra em crise e participa de um processo de Mais- Valia nos conceitos de Karl Marx. Não estou com uma visão positivista e empírica, mas também científica, todos sabemos que o excesso de estudo causa danos irreversíveis. Além disso, temos uma criação antiética na cabeças dos estudantes, a visão de que devem ser melhor que todos, que a profissional é diferente, como pregar a cidadania dessa forma? Bom, como valorizamos à igualdade, à justiça, os fins sociais, à paz, o progresso, à educação se o sistema introduz normas totalmente diferentes? Para completar, ocorre que em muitas escolas temos diretores e funcionários que absolvem esse pensamento de diferença, egoísmo e desigualdade, a partir daqui inicio a falar de Aracoiaba.
Aracoiaba, antes de mais uma "cela" dessa ser introduzida, havia apenas algumas escolas de ensino regular que mantinham a tradição e a luta em busca da educação e do crescimento dos alunos, hoje observamos um cenário de disputa entre as escolas, buscando saber qual é a melhor que qual, denotando e expressando grandiosidades, gerando a necessidade de "aparecer" e mostrar a "superioridade" sobre todos. Um exemplo maior, é a autoritarismo imposto nos desfiles cívicos, que já saíram do sentido a muito tempo, as bandas marciais sem ritmos disputam qual é a melhor. É quase incompreensível, dentro do nosso meio social que prega a cidadania e a paz vermos tais fatos, porém é evidente a presença disso, infelizmente. Independência ou Morte?
Observando mais a fundo a vivencia dos alunos submissos ao autoritarismo e as regras em excessos pregadas pelos formuladores das normas internas, é impossível calar-se diante dessas deturpações. É do saber de todos, senão sabe agora, que as penas impostas pela EP de Aracoiaba aos alunos é em excesso, pois lavar pratos, servir guardanapos por expressar uma atitude juvenil que poderia ser corrigida ou penalizada de forma menos grave é um atentado à dignidade do aluno, sendo que esta já está sendo corrompida desde a inversão de cidadania que o sistema impõe. Para completar o caos, há administradores que impõe uma coerção egocêntrica com finalidades de mostrar ou tentar serem superiores uns aos outros, hipocrisia, não? Dentro de uma Instituição educacional que faz o papel de pai e mãe para o jovem, ao invés de educar, aliena aos alunos com o ar da competição, da superioridade, da desigualdade e da falência axiológica. Immanuel Kant e o seu esclarecimento, denota a incapacidade, nesse aspecto educacional, da saída da menoridade da própria educação. Em suma, ainda temos muito a criticar, mas não me prolongarei, apenas deixo minha conclusão, nada que se faça sem educação gerará mudança, a educação é ampla e não se reduz ao conteúdo imposto dentro de sala de aula, ensinar a ditadura e os malefícios da mesma, sendo que vivemos nessa ditadura, é uma destruição de pensamento e razão, formai-vos nossos profissionais para que haja mudança e paz que tanto almejamos, e não mais conflito e deturpação de relações sociais. É assim que queremos o futuro? Uma massa de profissionais antiéticos e menores no aspecto kantiano? É assim que melhoraremos nosso ensino público? É assim que queremos os seres humanos, transformados em "robôs"? 
Não podemos permitir isso, lutai-vos para a regularização dessa situação!

2 comentários:

  1. Bem coerente sua crítica, Yago. Mas eu te respondo o porquê dessa ditadura, LUCRO!
    A educação hoje é negócio, é investimento que se quer lucro! Ainda mais quando o investimento é para a menina dos olhos do estado, a "EP". Lógico que essa pressão não é justificada, pois é possível conseguir excelência sem ditadura do ensino, Como você bem justificou. E outra, nas escolas regulares o currículo não comporta o ensino da música, e nessas de tempo integral, não há espaço para a disciplina? Sendo que é um direito o ensino da mesma.

    ResponderExcluir
  2. É claro, além do lucro, sabemos que quanto menos cidadão, mais os políticos corruptos estarão no poder, e isso eles não abandonarão de forma alguma. A tão importante música sempre será esquecida, espero mesmo que um dia isso acabe.

    ResponderExcluir